Educação não consiste apenas em boas maneiras, é algo mais amplo, mais profundo, porque envolve o desenvolvimento da vontade, os problemas da saúde física, da higiene mental, da formação moral. Olga Brandão de Almeida

Palavras a uma jovem - Por Olga Brandão Cordeiro de Almeida

Nesse mar agitado, a vida de hoje, não é muito fácil um encontro entre nós. Aproveito a oportunidade para dirigir-lhe palavras que espero serem uma fonte de esclarecimento.

Não pense que vem, à baila, frase como esta: “no meu tempo, o noivo não tinha liberdade de sentar-se ao lado da eleita”. Nada disso! O mundo não pára e o progresso também. Meu tempo está muito longe do seu, o que não impede que, juntas, procuremos entendê-lo.

Agora, tudo é comum: esporte, estudo e trabalho. Acabou-se o tempo da separação de moças e rapazes por uma divisória. A própria vivência moderna provoca, a cada instante, ocasiões de encontro.

Nenhum mal haverá nisso, se procurarem o verdadeiro sentido de tal aspecto.
Tudo, na vida, tem seu lado bom, mas também o mau.

Sendo o homem e a mulher duas metades diferentes, mas complementares, devem mesmo viver juntos. Completando-se é que se entendem. Só assim formarão outro mundo mais feliz do que este.

O homem possui inteligência diferente da mulher. De um modo geral, esta é intuitiva, aquele, intelectual.

Enquanto o homem raciocina, a mulher sente. Mas sensibilidade e raciocínio são caminhos que levam à posse da verdade.

Os costumes atuais, portanto, podem facilitar uniões matrimoniais bem mais acertadas que as de outrora, se a escolha se fizer com critério.

A felicidade tão almejada se firmará no conhecimento e respeito mútuos. Uma clarividência anterior ao casamento evitará surpresas desagradáveis.

Conhecendo, em solteira, a psicologia masculina, a jovem não sonhará com o príncipe encantado que partilhe de todas as nuanças de sua sensibilidade e, depois de casada, não se julgará infeliz. A insistência em querer receber do esposo manifestações femininas pode criar um drama ao invés de cultivar harmonia.

Bem sei, minha querida jovem, que pôr em prática a aceitação do comportamento do homem na sua idade é uma prova dura, pois exige paciência e força de vontade. Mas não se esqueça de que só vence quem, realmente, deseja.

Fato idêntico se dará com o marido que escolher para esposa não a autêntica companheira, mas uma romântica.

O triunfo do casamento tem suas regras. Só se convive bem com o rosto descoberto. A vida em comum se reverte em benefício se houver sinceridade. E essa atingirá as raias da fidelidade, se cada cônjuge for rigoroso consigo mesmo, repudiando, no tribunal interior que se chama consciência, todas as pequenas farsas que não condizem com a pessoa digna.

O importante na vida é que os dois se conheçam para que se compreendam mutuamente e, compreendendo-se, encontrem o segredo da harmonia no lar.
Seu futuro esposo não será conquistado com artifícios, que facilmente caem, mas com franqueza e lealdade.

Tenha cuidado com seus ares e vestimentas. Empreste-lhes um aspecto de elegância e beleza, mas não um aspecto tentador. As audácias femininas é que provocam a audácia no homem.

Serão sinceras ou ingênuas as moças que afirmam nada de mal verem nos trajos provocantes? Será inteligente aquela que, depois de uma noite festiva, se julga com a consciência tranquila, mas carrega a responsabilidade de faltas graves, cometidas por alguém por ela insinuado?

Defenda-se contra os assaltos que vêm de fora, mas também contra os de dentro. Os vícios se tornam tão dominadores quanto prejudiciais. Crie forças para combatê-los. O uso do cigarro, do álcool e dos esportes violentos causa males aos órgãos e mais depressa ao sistema nervoso. E você, minha jovem, não deseja ficar cansada de viver antes de ter vivido.

As amizades de hoje irão marcá-la para o resto da vida. Que poderão interessar-lhe as companhias duvidosas de moças e rapazes que não respeitam nem a si mesmos, que têm medo de ouvir em voz alta recordações duvidosas e sentimentos proibidos? As amizades marcadas pela beleza moral enriquecem porque, na espontaneidade das trocas, dão o melhor de cada um.

Não sei se você já pensou nisto: os professores não dão cultura, mas desenvolvem o gosto para conquistá-la. Cultura é trabalho puramente individual. Substitua as leituras de lata de lixo pelas que instruem. Você está no começo da vida e não precisa chafurdar na lama para conhecê-las. O livro que se obstina em mostrar o que não tem valor não é leitura para sua idade, porque pode arruinar-lhe a alma e tirar-lhe a indispensável confiança na vida.

Organize seus passeios, tenha a liberdade de organizar suas festinhas, de possuir amizades com autorização de seus pais, mas, antes, pense bem nas palavras deste nosso encontro para que espontaneamente saiba defender-se e progredir.

Palavras a uma jovem
Por Olga Brandão Cordeiro de Almeida

Fonte:

Poderá gostar de conhecer: