Educação não consiste apenas em boas maneiras, é algo mais amplo, mais profundo, porque envolve o desenvolvimento da vontade, os problemas da saúde física, da higiene mental, da formação moral. Olga Brandão de Almeida

Relações familiares - Por Olga Brandão Cordeiro de Almeida


O problema conjugal é menos um caso de adaptação de caracteres que ajustamento de educação. Dois esposos de caracteres diametralmente opostos não chegarão a sérios conflitos afetivos, se houver educação, esclarecimento espiritual. O cônjuge que for realmente educado saberá transformar, graças a um esforço moral, tendências agressivas ou depressivas em propósitos elevados.

Assim como, ao se casarem, duas pessoas que se amam mutuamente trocam sentimentos elevados de influências construtivas, também existem as que se valem de conceitos indesejáveis, penosos a si e aos filhos.

Nessas condições, estabelece-se um acordo inconsciente, cujas humilhações e degradações são descarregadas nos filhos, verdadeiros “bodes expiatórios”, sem defesa, incapazes de um contra-ataque.

Há necessidade, para boa orientação da família, que exista consonância afetiva do pai e da mãe, que farão do lar uma pequena sociedade cuja lei seja “paz na ordem”. Na casa onde não mora o sossego, proliferam irritabilidade, violência, pessimismo.
— Como poderá o filho (sem considerarmos os casos excepcionais) adquirir consonância afetiva por si, não a encontrando nos pais? — Inventando-a por conta própria?

Mostra-nos a experiência que onde existe conflito conjugal, há, quase de um modo automático, o conflito paralelo nos filhos.

E conflitos são promessas de fracasso…

Os desvios morais do adulto têm origem na infância, cujos acontecimentos são capazes de retardar o desenvolvimento mental.

A vida dos pais é um espelho, onde os filhos se miram; o exemplo dos pais vale por uma lição. A criança se utiliza dele para tornar-se adulta. E o processo educativo é tanto mais eficiente quanto mais espontâneo e inconsciente.

O inconsciente se refere ao exemplo; o espontâneo representa a maneira por que é posto em prática. Uma palmada pode assumir as proporções de um trauma como pode ser um despertar de consciência. Tudo depende do clima de afeto existente, tudo depende do bom senso de quem o aplica.

O ambiente de afetividade é tão necessário à vida, que, na infância, a compreensão afetiva precede a intelectual.

Aos olhos não esclarecidos, a vida é cheia de surpresas. Decorrem, porém, de reações psíquicas sutilíssimas.

É o caso em que a criança perturba, em parte, a harmonia entre os pais, lançando-os um contra o outro, acrescentando a esse triste espetáculo o desastre da própria educação.

Parece, à primeira vista, impossível que um filho possa ser pomo de discórdia dos próprios pais. Mas o espírito pode encontrar um ambiente desfavorável ao próprio progresso depois do nascimento, embora o tenha escolhido antes de nascer! É que os pais, como pessoas, estão sujeitos a modificações no tempo e no espaço.

Outras situações podem ainda desvirtuar as relações afetivas que devem existir entre pais e filhos.

Nem sempre a vinda de uma criança é bem recebida por um dos cônjuges.

Sucede ainda revelar o pai certa animosidade em relação ao menino porque desejava o nascimento de uma filha.

Paira, às vezes, um desentendimento, uma espécie de ciúme mal revelado no meio ambiente onde o marido não percebe que na mulher o comportamento materno suplanta o conjugal; onde a mãe não compreende que para o homem os comportamentos conjugais têm a primazia em relação aos paternos.

As relações psíquicas são tão profundas quanto pouco conhecidas!

Não são poucos os pais que acham que educar um filho é pô-lo na situação de curvar-se às sanções aplicadas, às ordens dadas, aos estudos escolhidos.

Em alguns casos, pode ser que esse sistema autoritário dê resultado, mas quase sempre cria a criança difícil, chamada “problema”.

Toda criança é um problema. Basta que esteja em relação a outras pessoas. Seu lugar em relação à família não pode ser de simples justaposição entre o pai e a mãe, mas de uma presença suposta com trocas de afetividade.

Se essas trocas forem realmente sinceras, se houver consonâncias normais, não haverá criança difícil. Mas se tais condições não forem preenchidas, a criança será um problema difícil para os pais e para si mesma.

Separação e solidão são as características de famílias que não vivem num plano mental elevado.

Sofrem influências cujos padrões de conceitos errados dos antepassados tornam-nas incapazes de raciocinar.

Relações familiares
Por Olga Brandão Cordeiro de Almeida

Fonte:

Poderá gostar de conhecer: