Educação não consiste apenas em boas maneiras, é algo mais amplo, mais profundo, porque envolve o desenvolvimento da vontade, os problemas da saúde física, da higiene mental, da formação moral. Olga Brandão de Almeida

Da necessidade de refletir - Por Olga Brandão de Almeida

O mundo anda convulsionado. Enfrentam-se a coragem e a covardia, a dignidade e a corrupção. Impaciência e intolerância andam de mãos dadas.

Ninguém suportará tal ambiente, se não conservar o domínio do interior, a paz de espírito, tão necessária à sabedoria de viver.

Como espíritos, todos têm suas tarefas que, embora nem sempre percebidas, são muito importantes.

Impõe-se que o indivíduo se convença de que os passos dados na vivência diária repercutem nos acontecimentos futuros e que, direta e indiretamente, ele é responsável por tudo que lhe acontece. Justificar os erros, atribuindo-os ao destino ou à provação, segundo alguns, é querer enganar-se a si e ao próximo.

Sem essa convicção, desaparecerá a necessidade de lutar pela vitória.

Não adianta pedir a proteção de Deus, porque dela tudo se tem: raciocínio, livre arbítrio e vontade. O que importa é abastecer-se de pensamentos de valor, resoluções acertadas, prática de boas ações. Convencida disso, a pessoa não mais correrá atrás de ilusões.

Conseguir o controle do interior é estabelecer equilíbrio entre as sugestões que a vida oferece e o que deve ser aceito de acordo com o bom senso.

Neste mundo agitado, onde todos correm e os veículos voam à flor do solo, nada melhor que, de quando em quando, parar um pouco para fazer um balanço do abastecimento interior. Nesses momentos de reflexão, é bom compreender que não adianta querer modificar a vida, medindo defeitos ou exagerando qualidades; é ótimo descobrir que se melhora a vida, trabalhando por ela através do aperfeiçoamento pessoal, sem medos pessimistas nem prazeres tolos.
Esses não deixam perceber o mal. É ainda útil esclarecer-se quanto ao próprio ajustamento social que se manifesta quando o indivíduo é capaz de ver em si o que os outros fazem, ouvir o que dizem e sentir o que sentem seus semelhantes.

A vida humana é tão limitada que não haverá progresso sem um grande esforço e espírito de colaboração. Todos os problemas pessoais são, no fundo, sociais e, por isso, é de grande importância que as capacidades individuais se reúnam, convergindo para o bem da espécie humana.

Todos nós erramos, mas o que importa é enxergar e corrigir os próprios erros.

Embora a correção dos erros seja mais fácil na infância e adolescência, podemos fazê-la em qualquer idade, relembrando os fatos passados naquele episódio.

Os indivíduos corajosos que possuem confiança em si e sentem-se bem na vida são beneficiados. Mas os que não têm uma atitude mental que os conduza à solução de seus próprios problemas formam individualidades voltadas para o lado inútil da vida, são os derrotados e constituem os grupos de ébrios, doentes mentais e criminosos.

Da necessidade de refletir
Por Olga Brandão de Almeida

Fonte: